Com 61 anos de idade e 26 de carreira como técnico, Wagner Benazzi de Andrade carrega consigo o apelido de “Rei dos Acessos”.  Ele Ficou conhecido por salvar equipes do rebaixamento em situações difíceis e alçar voos altos a frente de vários clubes.

Sobre o apelido, ele conta onde começou e ressalta que não acha justo ser chamado desta maneira, já que o mérito não é somente dele e sim de uma comissão, de um grupo.

“A Gazeta Esportiva começou a me chamar de O Rei dos Acessos, ai todos chamavam. Mas eu não me considero. Não fui eu, na verdade, se tiver que chamar que seja Os Reis, afinal, não consegui nada sozinho. É uma comissão técnica. É um grupo. Todos têm os méritos”, afirma.

Apesar de o próprio não aceitar o codinome “Rei dos Acessos” é inevitável não admitir que ele entende do assunto.

As campanhas mais marcantes foram com a Portuguesa em 2006, quando assumiu na zona de rebaixamento da Série B e salvou a Lusa na última rodada. Em 2010 aceitou o desafio de manter o Avaí na Série A há nove rodadas do fim e conseguiu tirar o Leão da Ilha do Z4 com uma partida de antecedência.

Em 2012 foram dois “milagres”. No Paulistão, Benazzi precisava vencer os três últimos jogos para o Botafogo não cair e, na Série B, tinha que tirar a diferença de seis pontos para o Bragantino permanecer na divisão. Ambos os trabalhos realizados com êxito.

Entretanto, o técnico também conquistou títulos na carreira. Destaque para quatro campeonatos estaduais, sendo dois em Santa Catarina (Figueirense 2001 e 2003), um em Brasília (Gama em 2000) e um no Ceará (Fortaleza em 2005). Também em seu currículo encontram-se acessos no Brasileirão e em campeonatos estaduais.

O ex-jogador também já comandou time da Região Norte. Em 2013, Wagner Benazzi foi treinador do Paysandu.

Descendente de italiano, Benazzi, nasceu e reside em Osasco/SP. Casado com a gaúcha Ciliane Benazzi e pai de três filhos, Ricardo, Andreia e Daniela, ele conta que se considera um profissional realizado e destaca que a confiança, a união e os laços familiares são essenciais para o sucesso.

“Sou realizado. Tive que provar para meu pai que jogador de futebol era uma profissão e fiz o meu melhor. Enquanto treinador faço o mesmo. Busco trabalhar sempre ouvindo quem está do meu lado. Preciso confiar, precisamos estar unidos e seremos mais fortes. Precisamos estar bem com nossos familiares. Os jogadores precisam lembrar que na arquibancada tem alguém que os espera, esposa, filhos, pai, mãe. Família é tudo”, declara.

Conquistas marcantes:

2007 – Portuguesa de Desportos – SP: Acesso a Série A do Campeonato Brasileiro

2007 – Portuguesa de Desportos – SP: Campeão Paulista Série A2 e Acesso à Série A1

2006 – Avaí Futebol Clube – SC: Campeão da Seletiva Catarinense e conquista da vaga p/ Copa do Brasil

2005 – Joinville Esporte Clube – SC: Campeão Catarinense do 2º Turno

2005 – Fortaleza Esporte Clube – CE: Campeão Cearense

2003 – Figueirense Futebol Clube – SC: Bi-Campeão Catarinense

2002 – Esporte Clube Santo André – SP: Vice Campeão da Copa Bandeirantes (SP)

2001 – Figueirense Futebol Clube – SC: Vice Campeão Brasileiro da Série B e acesso à Série A

2001 – Figueirense Futebol Clube – SC: Campeão Catarinense

2001 – Clube Atlético Sorocaba – SP: Vice Campeão Paulista da Série A3 e acesso à Série A2

2000 – Sociedade Esportiva do Gama – DF: Campeão Brasiliense

1998 – Sociedade Esportiva do Gama – DF: Campeão Brasileiro da Série B e acesso à Série A

1998 – União Agrícola Barbarense – SP: Campeão Paulista da Série A2 e Acesso à Série A1

1995 – Portuguesa Santista – SP: Campeão Paulista da 2º divisão e acesso à Série A3

1992 – Clube Atlético Taquaritinga – SP: Campeão Paulista da 2º divisão e acesso a Série A3

1991 – Esporte Clube Lemense – SP: Vice Campeão Paulista da 2º divisão e acesso à Série A3

1990 – União Agrícola Barbarense – SP: Vice Campeão Paulista Série A3 e acesso à Série A2

1989 – Grêmio São Carlense – SP: Campeão Paulista Série A3 e acesso à Série A2